Vivendo numa pequena cidade da Itália

Como já contei no post – estudando italiano na itália,  fiquei um mês vivendo numa muito simpática cidade pequena no centro da região de Marche na Italia, chamada San Severino Marche.

Nessa cidade, fui muito bem recebida por todo período que estive lá.
Fiz até algumas amizades com as quais tenho mantido contato.
San Severino Marche fica na região de Marche, na província de Macerata e tem cerca de 13 mil habitantes situada entre o Mar Adriático e os Apeninos .
A área rural é uma das maiores da região. A paisagem é belissima com montanhas e rochedos.
A cidade é extremamente limpa e arrumada, e a reciclagem de lixo aqui é levada muito a sério.
A população é bem receptiva.

 

Algo que me impressionou foi a marcante presença do Castelo – Na realidade , chamado assim, mas é parte do Convento de Santa Chiara. De qualquer ponto da cidade podemos avistar o Castelo que de noite recebe uma linda iluminação. É como um imã a chamar nossa atenção constantemente.

Principais pontos turísticos:

Piazza del popolo  – Séc XIII – é a praça principal da cidade e é onde as pessoas se reunem. Todos os finais de semana, tem alguma festa e a população participa em peso – Sagra da Porpeta, festa da Birra, festa da atividade produtiva, festa da Polenta, etc……
Em torno a praça pode-se encontrar muitas lojas, bares, pizzarias, restaurantes, um teatro, uma galeria de arte, um hotel/spa.

Castelo – Na realidade é um conjunto de obras composto pelo Duomo Vecchio (ou Santuário de San Severino Vescovo) uma área e um museu arqueologico, uma Torre , o Monastério de Santa Chiara, o Monastério de Santa Catarina  e algumas esculturas. Ficar ali meditando, te leva a sair do tempo-espaço.
Lá você encontrará os restos arqueológicos de Septempeda , cidade medieval do Séc V e VI,  no Monte Negro.  Septempeda era o nome antigo da cidade e até hoje os cidadãos são chamados de Setempedanos. Da antiga cidade medieval restam partes de paredes, duas portas e a torre do campanário do Duomo histórico, onde o Padroeiro Severino permanece preservado.
Museu Arqueológico Giuseppe Moretti: Junto a área preservada

Outros pontos turísticos são:

Catedral de Santo Agostinho   – Hoje é o principal edifício religioso da Cidade.

Teatro Feronia: lugar belíssimo e muito bem conservado, fica na Piazza del Popolo

 

Pinacoteca Civica Padre Pietro TacchiVenturi : contém uma rica documentação referente aos irmãos artistas Jacopo e Lorenzo Salimbeni (século XV)

A basílica de San Lorenzo em Doliolo (século XIII), de acordo com a tradição, foi originalmente construída no século II sobre um templo para a deusa Feronia. A cripta data do século 6 e possui numerosos fragmentos de afrescos

Igreja de San Domenico – igreja do século 13 com um interior do século XVII. A torre do sino tem parte do afresco do século 14 com a história de Santa Catarina.
Santuário de Santa Maria Dei Lumi – construido em 1584

Duomo de Santa Maria Maddalena  -que remonta a 1250;

Comércio:

A cidade, apesar de pequena, é muito bem servida pelo comércio, feirinhas, e por serviços.
Deixo abaixo, indicação de alguns lugares que gostei muito.

Bares: Bar CentralePino’s Bar, Caffé del teatro, Patrizia’s Bar
Pizzaria: com certeza a melhor que experimentei – Mister Pizza
Gelateria: escolho a que fica no inicio da Via Dante Alighieri , ao lado da livraria, em frente ao restaurante Gramigna ( aliás não recomendo).
Restaurantes: Osteria Juno ( para mim, o melhor) ,Tratoria Gian (bem tradicional e típica, vale a pena conhecer, C’è una volta, foram os que mais frequentamos. No C’è una volta, também pode-se comer deliciosos doces e sorvetes.
Para que prefere cozinhar, sugiro que conheça a loja de congelados a granel, espetacular – Sapore di Mare 

Para comprar roupas: UPIM, Beneton
Farmácia: Farmacia Natali – remédios, naturopatia, produtos de beleza
Conheça também o Sebo que fica dentro da Igreja – feito para ajudar às vitimas do terremoto que ocorreu no inicio do ano.Ao caminhar pela cidade, podemos ser surpreendidas por ruas pitorescas.

Entorno:

Ao seu entorno, muitas outras cidades merecem ser visitadas: Fabriano, Tolentino, Matellica, Macerata, Ósimo, Civitanova, Loretto, Ancona, Assis, Gubbio, Perugia, e outras,  todas a menos de 60 km de distância entre outras..

Breve Histórico:

Os restos mais antigos da presença humana em San Severino remontam ao Paleolítico e sua proveniência é da região de Stigliano. Mas há outros restos, encontrados em muitas localidades do território comunal, documentando vários assentamentos na região em diferentes idades.

A primeira civilização significativa pode ser rastreada até o Piceni, concentrado nas proximidades de Pitino.
As escavações desde 1932 trouxeram à luz uma área residencial em cima da colina e três necrópolis na vizinhança, todas remontando a um período entre os séculos 7 e 5 aC. Restos de conjuntos funerários, com apresentações de outras áreas, destacam os altos níveis sociais das populações vivas na área.

Ao pé do Monte Nergro, havia um templo sagrado, único na região, dedicado ao culto da deusa Feronia, divindade de Sabine. Isso sugere que a cidade de Septempeda (nome antigo de origens incertas de San Severino na era romana) teve uma origem pré-romana. Durante o período das perseguições dos cristãos, o templo de Feronia foi usado como catacumba e lugar para orações.

A partir do século III aC, com a conquista romana da área de Piceno em 268 aC, Septempeda tornou-se uma das primeiras colônias do império romano, comprovada por muitas lápides com nomes romanos como Baebia, Calpurnia e Flavia. A cidade de Septempeda cresceu até uma prefeitura e foi levada ao ranking do município romano com um papel estratégico no controle do comércio através de uma maneira importante de conectar o Mar Adriático a Roma.

Das muralhas da cidade de Septempeda, localizadas na localidade “La Pieve”, a leste da cidade atual, ainda há para ver as bases, quase completas, os restos do edifício oriental e sul, provavelmente a cidade fórum, juntamente com outros restos do muro da cidade.

Idade Média

As incursões das tropas germânicas e bizantinas até o século VI obrigaram os habitantes a encontrarem abrigo em lugares altos e, em particular, em Monte Negro (a colina onde está o Castelo). A cidade romana, ou seus restos, continuaram a ser habitados, especialmente durante períodos pacíficos, devido à facilidade de comunicação através das estradas romanas, mantendo o nome de Septempeda.

De acordo com a tradição, São Severino, de quem a cidade toma seu nome atual, foi consagrado como Bispo pelo Papa Vigilius em 540. Severinus morreu em 545, o mesmo ano da passagem dos godos em direção a Roma.

Os restos do santo estavam escondidos na Catedral de Santa Maria em Septempeda para protegê-los contra o saque; encontrados em 590 durante a restauração da catedral, foram levados para Monte Negro (Duomo Vecchio).

Com a conquista de Carlomagno no norte da Itália em 773, San Severino jurou lealdade ao Papa Adrian I. O primeiro documento confiável sobre a existência deste novo centro remonta a 944, ano de fundação de uma igreja maior para acomodar os fiéis e as relíquias de São Severino que foi colocada na aldeia do “Santuário Castellum Severinum”. Documentos dos séculos XII e XII mostram que o Castelo de San Severino fazia parte da diocese e da Marcha Camerino antes de ser transferido em 1119 para o Marquês Werner II de Spoleto, que vieram da Alemanha para lutar pelo Papa contra os Normados. A dinastia de Werner governa os territórios de Marche e San Severino até cerca de 1170, quando se estabeleceu a Comuna de San Severino.

O século XIV caracteriza-se pelo domínio dos Smeducci, uma família local de capitães mercenários que mantiveram sua hegemonia na cidade quase continuamente, até serem banidos em 1426 pelo papa.

Durante o reinado da família Smeducci, San Severino viveu seu período de máximo desenvolvimento comercial, industrial e social. Muitos habitantes haviam descido de Monte Negro aumentando a população da pequena aldeia existente, estabelecendo fábricas de papel e seda, lã e fábricas de roupas, mercadorias exportadas por todo o Marche. Foram construídos novos edifícios públicos, igrejas e campanários.

Francesco Sforza, um faze que possui várias terras em Marche, estabeleceu-se em San Severino entre 1443 e 1445, recebido pelos habitantes que viram nele poder suficiente para resistir tanto aos absolutismos dos senhores locais quanto à tirania dos vigários papais. Depois de ter reconquistado duas vezes o território de Marche, Sforza decidiu abandonar seus bens para concentrar seus esforços na luta contra o Visconti de Milão.

Os descendentes dos Smeducci  aproveitaram a ausência de Sforza para executar a última tentativa de reconquistar  San Severino. Isso acabou com a subjugação de San Severino pelo exército do comandante papal Giovanni Vitelleschi, e o posterior encarceramento de Smeduccio Smeducci em Castel Sant’Angelo. Sanseverino tornou-se parte dos Estados Papais por um tratado assinado em Tolentino em 1445.

Era renascentista e contemporânea

Em 1502, a cidade teve que lutar para se defender da invasão e devastação operada por Giovanni Maria Varano, escapada do abate de Cesare Borgia.

Em 1523, uma praga dizimava a população de S. Severino e todas as suas atividades comerciais e culturais. Naquela época, a cidade ficou preocupada com os conflitos entre duas famílias nobres Caccialupi e Gentili, que dividiu as pessoas em duas facções e exigiu uma intervenção direta do papa Paulo III que resultou ineficaz. Somente em 1564 as duas partes chegaram a um acordo de paz, assinado na catedral de San Severino no castelo.

Nesses anos, o centro da cidade mudou progressivamente para o vale, em torno da antiga praça do mercado; Entre a metade do século 18 e o início do século XIX, também a prefeitura, o palácio episcopal e a catedral, no monte negro , foram abandonados tornando-os quase isolado.

Este longo período de declínio econômico e cultural foi marcado por alguns eventos importantes. Em 1604, o papa Clemente VIII designou seu irmão cardeal Giovanni Aldobrandini um mandato governamental para San Severino. Em 1607, a administração de San Severino tornou-se independente do Santo Tribunal de Macerata.

Durante a primeira curta campanha napoleônica, o general Berthier impôs a República Romana e o estabelecimento de um município que permaneceu no comando até junho de 1799. Após a segunda invasão francesa (1808-1813), toda a região de Marche uniu-se ao Reino da Itália, San Severino tornou-se a capital do Canton Department of Musone. Após a era napoleônica, San Severino voltou sob a Santa Sé e em 1816 foi declarado Distrito de San Ginesio, Sarnano e Tolentino pelo Papa Pio VII.

Em 1831 e 1849 muitos dos seus habitantes participaram de rebeliões; Isso culminou com a chegada das tropas da Piedmontese em 1860, cessando o governo papal em San Severino para sempre. Como outras cidades italianas, San Severino escolheu a anexação ao Reino da Itália, compartilhando o mesmo destino e a história de outras cidades italianas. (referencia Wikipedia)

 

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s